Trabalho e subjetividade, livro de Giovanni Alves

Trabalho e subjetividade


R$ 31,16
preço de capa: R$ 38,00
economia de: R$ 6,84 (18%)
editora: BOITEMPO
prazo: Sob encomenda. Envio em 1 dia útil + frete
Em estoque.
   adicionar ao carrinho
  • Os sentidos do trabalho, livro de Ricardo Antunes

    Os sentidos do trabalho

    Ricardo Antunes

    R$ 54,00
    R$ 44,28


  • Manifesto do Partido Comunista, livro de Friedrich Engels e Karl Marx

    Manifesto do Partido Comunista

    Friedrich Engels e Karl Marx

    R$ 4,00
    R$ 3,60


  • Futebol Ao Sol E À Sombra - Coleção L&PM Pocket, livro de Eduardo Galeano

    Futebol Ao Sol E À Sombra - Coleção L&PM Pocket

    Eduardo Galeano

    R$ 21,90
    R$ 17,52


  • O caracol e sua concha - Ensaios sobre a nova morfologia do trabalho, livro de Ricardo Antunes

    O caracol e sua concha - Ensaios sobre a nova morfologia do trabalho

    Ricardo Antunes

    R$ 38,00
    R$ 31,16


  • Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III, livro de Ricardo Antunes (org.)

    Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III

    Ricardo Antunes (org.)

    R$ 85,00
    R$ 69,70


  • O enigma do capital e as crises do capitalismo, livro de David Harvey

    O enigma do capital e as crises do capitalismo

    David Harvey

    R$ 52,00
    R$ 42,64


  • Mais trabalho!, livro de Sadi Dal Rosso

    Mais trabalho!

    Sadi Dal Rosso

    R$ 39,00
    R$ 34,71


Descrição

Com olhar crítico sobre as novas tendências no ambiente de trabalho, Giovanni Alves desvenda em seu novo livro um tema crucial na reestruturação produtiva do século XXI: a subjetividade do homem que trabalha. Resultado de um profundo estudo sobre as engrenagens de envolvimento e sujeição do trabalhador no espaço laborativo e os processos de produção, o livro Trabalho e subjetividade revela as influências de uma nova modalidade no mercado: a ?empresa enxuta? ou ?flexível?.

Em substituição à coisificação típica da produção maquinal do taylorismo-fordismo, que formou a chamada sociedade do automóvel durante o século XX, surge uma nova lógica de controle e organização do trabalho, designada pelo autor como a ?captura? da subjetividade. Nesse contexto, Alves aponta um intenso movimento de valores da empresa para a vida social e da vida social para a empresa, um impregnando o outro.

Essa nova planta produtiva, baseada no toyotismo, combina ampliação do maquinário técnico-científico-informacional, intensa exploração do trabalho, aumento da informalidade e perda de direitos, e é capaz de se apropriar ainda mais efetivamente do intelecto do trabalho, utilizando conceitos cada vez mais presentes na realidade do trabalhador. Como aponta Ricardo Antunes, orientador do estudo e coordenador da coleção Mundo do Trabalho, da Boitempo Editorial, ?as ?células produtivas?, o ?trabalho em equipe?, os círculos de controle de qualidade, as polivalências e as multifuncionalidades, as metas e as competências, os ?colaboradores?, os ?consultores?, os ?parceiros? são denominações infernais cuja substância se encontra na razão inversa de sua nomenclatura?.

Os estudos de Alves também revelam novos conceitos e críticas relacionados à psicologia das pulsões no trabalho e a um sistema de controle do metabolismo social, que articula em si e para si, de modo contraditório, mente e corpo do homem que trabalha. Muito utilizada por István Mészáros, depois de Marx, a noção de metabolismo social é ponto de partida para Alves organizar, no plano teórico, importantes elementos que explicam as novas conformações da reestruturação produtiva do capital no século XXI. Para isso, sugere algumas categorias novas como sociometabolismo da barbárie, cooperação complexa, Quarta Revolução Tecnológica, valores-fetiche, expectativas e utopias de mercado, inconsciente estendido e compressão psicocorporal, salientando as implicações corporais da desefetivação do trabalho vivo no capitalismo flexível, com a disseminação da doença universal do estresse.

O economista e presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, afirma a contribuição fundamental da obra de Alves como contraponto na literatura especializada, ainda muito comprometida com a oferta de visões amenas das configurações atuais. Segundo ele, a partir de Trabalho e subjetividade, o leitor tem condições de compreender a reconfiguração pela qual passou o mundo do trabalho. ?O conhecimento dessa realidade constitui inexorável parcela no desejo de sua transformação, sobretudo se acreditamos que outro mundo ainda é possível?, conclui Pochmann.

Trecho

O que nos interessa salientar é a afinidade compositiva entre sociometabolismo da barbárie (o complexo social de dessocialização e desefetivação do ser genérico do homem que surge a partir da degradação ampliada do mundo do trabalho) e vigência da acumulação por espoliação, principalmente no plano do metabolismo social. As práticas sociais da acumulação por espoliação, o conjunto de coerções e apropriações de capacidades, relações sociais, conhecimentos, hábitos de pensamento e crenças (o que André Gorz irá denominar, ao tratar do trabalho imaterial, de ?saber cotidiano?), além da apropriação e da cooptação de realizações sociais e culturais as mais diversas, constituem hoje elementos das inovações sociometabólicas do capital. Elas sedimentam a sociabilidade da predação e a cultura do medo que constitui um ambiente social (e emocional) propício para os novos consentimentos espúrios pressupostos do novo modelo produtivo.

Portanto, uma de nossas hipóteses é que existe um vínculo orgânico entre acumulação por espoliação e as novas práticas empresariais de ?captura? da subjetividade do trabalho vivo e da força de trabalho, com destaque para a ampla gama de mecanismos organizacionais de incentivo à participação e envolvimento de empregados e operários na solução de problemas no local de trabalho. A apropriação/espoliação da criatividade intelectual (ou emocional) não apenas de empregados e operários, mas de clientes, consumidores e usuários de produtos e serviços instigados a ?agregar? valor à produção da mercadoria são exemplos da sociabilidade de predação que caracteriza o metabolismo social do capitalismo global.

Sobre o autor

Giovanni Alves é doutor em ciências sociais pela Unicamp, livre-docente em sociologia e professor da Unesp, campus de Marília. É pesquisador do CNPq com bolsa-produtividade em pesquisa e coordenador da Rede de Estudos do Trabalho (RET) e do Projeto Tela Crítica. É autor de vários livros e artigos sobre o tema trabalho e sociabilidade, entre os quais O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo (Boitempo Editorial, 2000).




Dados Técnicos
Peso: 360g
ISBN: 9788575591697
Google Books Preview





A 30PorCento é uma livraria virtual cuja missão principal é potencializar, através dos livros, a renovação do pensamento crítico brasíleiro. Oferecemos livros com desconto em todo nosso catálogo.

Frete: além do Sedex e das entregas de Bicicleta, utilizamos também uma categoria especial e econômica para postagem de livros no correio chamada Impresso com Registro Módico, cujo preço é fixo, por peso, para qualquer cidade do Brasil.

Política de troca e devolução: produtos vendidos e enviados pela Livraria 30porcento podem ser devolvidos em até 30 dias após o recebimento do pedido. Para receber o reembolso total, os produtos devolvidos devem estar em condições de novo. Produtos com defeito podem ser devolvidos no prazo de garantia legal solicitados por email em até 30 dias.


Link para a revista literária O Benedito.

> 7LETRAS
> ALEPH
> ALFAGUARA
> AMARILYS
> ANNABLUME
> ATELIE
> AUTENTICA
> AUTONOMIA LITERÁRIA
> BEM-TE-VI
> BIBLIOTECA AZUL
> BLUCHER
> BOITEMPO
> CARAMBAIA
> COMPANHIA DAS LETRAS
> CORTEZ
> COSACNAIFY
> DISCURSO EDITORIAL
> EDIÇÕES LOYOLA
> EDIPRO
> EDITORA 34
> EDITORA UFRJ
> EDITORA UFV
> EDIÇÕES 70
> EDUEL
> EDUEM
> EDUERJ
> EDUFPA
> EDUSP
> ELEFANTE
> ESTAÇÃO LIBERDADE
> EXPRESSÃO POPULAR
> GLOBAL
> HEDRA
> HUMANITAS
> ILUMINURAS
> INSTITUTO MOREIRA SALLES
> INSTITUTO PIAGET
> MANOLE
> MARTINS FONTES
> MERCADO DE LETRAS
> MUNDARÉU
> NOVA ALEXANDRIA
> NOVA FRONTEIRA
> MUSA
> OCTAVO
> PALAS ATHENA
> PAZ E TERRA
> PERSPECTIVA
> PONTES
> RADIO LONDRES
> SENAC
> SESC SP
> TINTA DA CHINA
> TODAVIA
> TORDESILHAS
> UBU EDITORA
> UNESP
> UNICAMP
> VOZES
> WMF MARTINS FONTES
> ZAHAR
+ editoras




Blog Não Gosto de Plágio - a polêmica do plágio de traduções literárias no Brasil, por Denise Bottmann