A nova razão do mundo - Ensaios sobre a sociedade neoliberal, livro de Christian Laval, Pierre Dardot

A nova razão do mundo - Ensaios sobre a sociedade neoliberal


R$ 51,10
preço de capa: R$ 73,00
economia de: R$ 21,90 (30%)
   adicionar ao carrinho
editora: BOITEMPO
condição: Livro novo
prazo: Sob encomenda. Envio em 2 dias úteis + frete (grátis nas compras acima de R$149 para todo o Brasil)
  • As armas da crítica - Antologia do pensamento de esquerda, livro de Ivana Jinkings, Emir Sader (Orgs.)

    As armas da crítica - Antologia do pensamento de esquerda

    Ivana Jinkings, Emir Sader (Orgs.)

    R$ 42,00
    R$ 29,40


  • Protesto - Uma Introdução aos Movimentos Sociais, livro de James M. Jasper

    Protesto - Uma Introdução aos Movimentos Sociais

    James M. Jasper

    R$ 49,90
    R$ 34,93


  • Por que gritamos Golpe? - Para entender o impeachment e a crise política no Brasil, livro de Ivana Jinkings, Kim Doria, Murilo Cleto (Orgs.)

    Por que gritamos Golpe? - Para entender o impeachment e a crise política no Brasil

    Ivana Jinkings, Kim Doria, Murilo Cleto (Orgs.)

    R$ 15,00
    R$ 10,50


  • Intérpretes do Brasil - Clássicos, rebeldes e renegados, livro de Lincoln Secco, Luiz Bernardo Pericás (orgs.)

    Intérpretes do Brasil - Clássicos, rebeldes e renegados

    Lincoln Secco, Luiz Bernardo Pericás (orgs.)

    R$ 67,00
    R$ 46,90


  • Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, livro de Karl Marx

    Crítica da Filosofia do Direito de Hegel

    Karl Marx

    R$ 42,00
    R$ 29,40


  • Neoliberalismo (O) - História e implicações, livro de David Harvey

    Neoliberalismo (O) - História e implicações

    David Harvey

    R$ 63,30
    R$ 53,81


  • A legalização da classe operária, livro de Bernard Edelman

    A legalização da classe operária

    Bernard Edelman

    R$ 49,00
    R$ 34,30


Descrição
Ainda não entendemos o que é o neoliberalismo, e estamos pagando um preço altíssimo por isso. É esse anseio de urgência que levou os pensadores franceses Pierre Dardot e Christian Laval a escreverem A nova razão do mundo, obra que passa a limpo todos os lugares-comuns sobre a natureza do capitalismo contemporâneo.

Por meio de recursos analíticos pouco ortodoxos – que conciliam investigação histórico-social e psicanálise, Foucault e Marx –, Dardot e Laval desfazem mitos e revelam o que há de novo no neoliberalismo: uma racionalidade global – e não apenas uma doutrina econômica ou ideológica – que vem transformando profundamente as sociedades de forma subterrânea e difusa, estendendo seu sistema normativo a todas as relações sociais, sem deixar incólume nenhuma esfera da existência humana.

Levando a sério a formulação de Margaret Thatcher – “A economia é o método. O objetivo é mudar a alma” –, o livro descreve os assombrosos contornos deste mundo em que “o desejo é o alvo do novo poder”. Dardot e Laval afirmam que a grande inovação da tecnologia neoliberal é vincular diretamente a maneira como um homem “é governado” à maneira como ele próprio “se governa”. Ao explorar as raízes e ramificações do pensamento neoliberal ao longo do século XX, os autores destrincham de forma clara e precisa as implicações desse novo paradigma, em que a economia torna-se uma disciplina pessoal.

A figura central dessa nova racionalidade é o “sujeito empresarial”. Cada indivíduo é uma empresa que deve se gerir e um capital que deve se fazer frutificar. O conceito define a totalidade do que já foi chamado por estudos anteriores de sujeito “hipermoderno”, “impreciso”, “flexível”, “precário”, “fluido”, “sem gravidade”, “individualista”. Na nova razão do mundo, todas as atividades devem assemelhar-se a uma produção, a um cálculo de custo, aliado ao imperativo do “sempre mais”, que visa a intensificar a eficácia de cada sujeito em todos os domínios: escolar e profissional, mas também relacional, sexual e assim por diante. As atividades que permeiam a vida são concebidas essencialmente como “investimento” no interminável processo de valorização do eu, sobre o qual o indivíduo é inteiramente responsável.

O estudo do caráter sistêmico dessa racionalidade permite analisar, para além do processo mais visível de privatizações, a corrosão interna da própria dimensão pública e democrática dos Estados nacionais, à direita e à esquerda no espectro político institucional. Para Dardot e Laval, o sistema neoliberal opera uma desativação sem precedentes do jogo democrático, que está nos fazendo entrar no que chamam de “era pós-democrática”. Um dos principais sintomas dessa ação é a mudança na concepção dos bens públicos, assim como os princípios de sua distribuição. Direitos até então ligados à cidadania e historicamente estabelecidos como consequência lógica da democracia política, como a proteção social, a igualdade de tratamento e a universalidade, são questionados pela concepção consumista do serviço público de um “sujeito ao qual a sociedade não deve nada”.

A nova razão do mundo introduz formas sem precedentes de sujeição que constituem, para os que a contestam, um desafio político e intelectual inédito. “Combatê-la exige não se deixar iludir, fazer uma análise lúcida dele. O conhecimento e a crítica do neoliberalismo são indispensáveis”, sustentam os autores. Somente a compreensão dessa racionalidade permitirá que se oponha a ela uma verdadeira resistência e que se inaugure uma outra razão do mundo.

Dados Técnicos
Páginas: 416
Peso: 437g
ISBN: 9788575594841
Google Books Preview
Busca por Artigos d'O Benedito
Book GlyphA era pós-democrática
...“‘We are the champions’ [Nós somos os campeões] – esse é o hino do novo sujeito empresarial. Da letra da música, que a sua maneira anuncia o novo curso subjetivo, devemos guardar sobretudo...






A 30PorCento é uma livraria virtual cuja missão principal é potencializar, através dos livros, a renovação do pensamento crítico brasíleiro. Oferecemos livros com desconto em todo nosso catálogo.

Frete: além do Sedex e das entregas de Bicicleta, utilizamos também uma categoria especial e econômica para postagem de livros no correio chamada Impresso com Registro Módico, cujo preço é fixo, por peso, para qualquer cidade do Brasil.



Link para a revista literária O Benedito.

> 7LETRAS
> ALEPH
> ALFAGUARA
> AMARILYS
> ANNABLUME
> ATELIE
> AUTENTICA
> BEM-TE-VI
> BIBLIOTECA AZUL
> BLUCHER
> BOITEMPO
> CARAMBAIA
> COMPANHIA DAS LETRAS
> CORTEZ
> COSACNAIFY
> DISCURSO EDITORIAL
> EDIÇÕES LOYOLA
> EDIPRO
> EDITORA 34
> EDITORA UFRJ
> EDITORA UFV
> EDIÇÕES 70
> EDUEL
> EDUEM
> EDUERJ
> EDUSP
> ESTAÇÃO LIBERDADE
> EXPRESSÃO POPULAR
> GLOBAL
> HEDRA
> HUMANITAS
> ILUMINURAS
> INSTITUTO MOREIRA SALLES
> INSTITUTO PIAGET
> MANOLE
> MARTINS FONTES
> MERCADO DE LETRAS
> MUNDARÉU
> NOVA ALEXANDRIA
> NOVA FRONTEIRA
> MUSA
> OCTAVO
> PALAS ATHENA
> PAZ E TERRA
> PERSPECTIVA
> PONTES
> RADIO LONDRES
> SENAC
> SESC SP
> TINTA DA CHINA
> TODAVIA
> TORDESILHAS
> UBU EDITORA
> UNESP
> UNICAMP
> VOZES
> WMF MARTINS FONTES
> ZAHAR
+ editoras




Blog Não Gosto de Plágio - a polêmica do plágio de traduções literárias no Brasil, por Denise Bottmann