Flores das Flores do mal de Baudelaire, livro de Guilherme de Almeida, Charles Baudelaire

Flores das Flores do mal de Baudelaire

editora: EDITORA 34
assunto:
Ilustrações de Henri Matisse
Apresentação de Manuel Bandeira
Posfácio de Marcelo Tápia

Estas Flores das "Flores do mal" reúnem 21 poemas da obra máxima de Charles Baudelaire (1821-1867), colhidos a dedo e recriados com esmero em língua portuguesa, ao longo de oito anos, pelo poeta Guilherme de Almeida.

Reconhecido por Mário de Andrade e Manuel Bandeira por sua excelência na arte da versificação, Guilherme de Almeida (1890-1969) foi figura de destaque na vida cultural do país na primeira metade do século XX, e exerceu im... [Leia mais]
R$ 40,36
preço de capa: R$ 49,00
economia de: R$ 8,64 (18%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$13,45 sem juros.
Apenas 2 em estoque.
Descrição
Ilustrações de Henri Matisse
Apresentação de Manuel Bandeira
Posfácio de Marcelo Tápia

Estas Flores das "Flores do mal" reúnem 21 poemas da obra máxima de Charles Baudelaire (1821-1867), colhidos a dedo e recriados com esmero em língua portuguesa, ao longo de oito anos, pelo poeta Guilherme de Almeida.

Reconhecido por Mário de Andrade e Manuel Bandeira por sua excelência na arte da versificação, Guilherme de Almeida (1890-1969) foi figura de destaque na vida cultural do país na primeira metade do século XX, e exerceu importante influência no movimento modernista brasileiro. Exímio poeta e pensador refinado, foi também um grande e apaixonado tradutor, tendo divulgado o haikai no Brasil e vertido para o português obras de Paul Verlaine, François Villon, Rabindranath Tagore, Oscar Wilde e Tennessee Williams, entre outros. Não foi à toa que, a propósito destas Flores das "Flores do mal", Bandeira afirmou, em texto reproduzido no presente volume, que Guilherme de Almeida sabia "traduzir até diamantes". Sucesso alcançado, explica o poeta-tradutor, porque "sempre soube [estes poemas] de cor e, à força de dizê-los, citá-los e recitá-los, acabei por me surpreender ouvindo-os de mim mesmo, na minha língua mesma".

Além da apresentação de Manuel Bandeira, esta edição bilíngue inclui as notas em que Guilherme de Almeida comenta aspectos do trabalho de recriação de cada um dos poemas, um posfácio crítico de Marcelo Tápia e as belas ilustrações de Henri Matisse, concebidas para uma antologia das Flores do mal publicada na França em 1947.

Sobre o Autor

Guilherme de Almeida nasce em Campinas, SP, em 1890. Formado na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco em 1912, trabalha como advogado até 1923, quando passa a se dedicar prioritariamente à literatura. Publica suas primeiras obras em 1916: Mon coeur balance e Leur âme, duas peças escritas com Oswald de Andrade. Seu primeiro livro de poemas, Nós, vem à luz em 1917; seguem-se, entre outros, A dança das horas e Messidor (1919), e Era uma vez... (1922). Neste ano, atua decisivamente na realização da Semana de Arte Moderna, ao lado de Mário de Andrade, Oswald, Di Cavalcanti e Menotti del Picchia, e participa da fundação da revista Klaxon. Em 1925 publica quatro livros de poemas: Narciso, Encantamento, Raça e Meu, sendo estes dois últimos o ápice de sua poesia modernista. Participa ativamente da Revolução Constitucionalista, após a qual é preso e exilado em Portugal durante um ano. Membro da Academia Brasileira de Letras, sua produção compreende cerca de 75 livros, entre poesia, prosa, ensaio e tradução, além do extenso trabalho jornalístico. Falece em 11 de julho de 1969, em sua casa da rua Macapá, no bairro do Pacaembu, em São Paulo, hoje um museu dedicado à sua obra.

Dados Técnicos
Peso: 214g
ISBN: 9788573264449