Poesia e verso - Leitura da Lira dos cinquent’anos de Manuel Bandeira, livro de Marcos David Alconchel

Poesia e verso - Leitura da Lira dos cinquent’anos de Manuel Bandeira

editora: ARCHE
O livro Lira dos cinquent’anos (1940) tem sido desfavorecido pela crítica de Manuel Bandeira. Da “vida inteira”, são destacados outros momentos, especialmente Libertinagem (1930), primeiro livro do poeta após a renovação modernista, ou mesmo A cinza das horas (1917), volume de estreia. Tudo se passa como se a aparição da Lira não representasse mais nenhuma novidade em uma obra já consolidada. A própria história editorial do livro parece acompanhar esse lugar menos prestigioso na trajetória: ele nunca foi publicado isoladamente em vida do autor. É certo que isso ocorreu também com Belo belo ... [Leia mais]
R$ 48,00
preço de capa: R$ 60,00
economia de: R$ 12,00 (20%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$16,00 sem juros.
Apenas 3 em estoque.
Descrição
O livro Lira dos cinquent’anos (1940) tem sido desfavorecido pela crítica de Manuel Bandeira. Da “vida inteira”, são destacados outros momentos, especialmente Libertinagem (1930), primeiro livro do poeta após a renovação modernista, ou mesmo A cinza das horas (1917), volume de estreia. Tudo se passa como se a aparição da Lira não representasse mais nenhuma novidade em uma obra já consolidada. A própria história editorial do livro parece acompanhar esse lugar menos prestigioso na trajetória: ele nunca foi publicado isoladamente em vida do autor. É certo que isso ocorreu também com Belo belo (1948), e Opus 10 (1952) apareceu apenas em edição de tiragem muito limitada, mas o caso desperta curiosidade, sobretudo quando surge um estudo da importância e da qualidade deste Poesia e verso: leitura de Lira dos cinquent’anos, de Marcos Alconchel, que parte justamente da concepção de livro como algo fundamental para a coletânea.

Ao longo da leitura do Itinerário de Pasárgada, por exemplo, surpreendemo-nos com a presença muito precoce da poesia na vida de Bandeira, a partir inclusive da figura do pai, muito afeito a “brincadeiras verbais”, mas que estava encaminhando o filho para ser arquiteto... O livro adquire assim um lugar muito específico em sua trajetória, onde o poeta parece definir, depois da longa aprendizagem inicial e da abertura posterior ao modernismo, um lugar de liberdade plena, de utilização de formas e procedimentos os mais variados.

Marcos Alconchel reconhece de saída no livro justamente essa grande variedade de formas, tradicionais e modernas, algumas de culturas distantes,como o haicai e o gazal. Considera que essa variedade é o autêntico projeto do livro, sua razão de ser mais profunda, quem sabe o modo como o poeta quis retribuir à própria poesia, que dera sentido à sua vida, praticando-a com largueza e generosidade. O título alude a um dos textos fundamentais de Bandeira sobre poética, indicando a necessidade de abordar a Lira também do ponto de vista da versificação. No primeiro capítulo, “Manuel Bandeira e o ofício do poeta”, o crítico descreve com minúcia a natureza do livro, “entre tradição e modernidade”, além de situá-lo com precisão na trajetória. A essa visão do todo sucede a investigação dos detalhes, e cada um dos quatro capítulos seguintes se debruça sobre um poema específico, pela ordem “Ouro Preto”,“Velha chácara”, “O martelo” e “Haicai tirado de uma falsa lira de Gonzaga”. A escolha se dá pelo gosto, mas também pela representatividade do conjunto: um soneto e um haicai, como modelares das formas fixas,o primeiro deles voltado para o passado histórico das minas e para a figura legendária do Aleijadinho,o segundo, exemplo notável do desentranhar como método de criação; um poema de forma aberta, em que a cidade moderna comparece com seus ruídos; outro, mesclado, em que o poeta revisita o sortilégio da infância. A fortuna crítica de Manuel Bandeira é das mais sólidas e homogêneas em nossa literatura. Este livro de Marcos Alconchel vem ocupar nela lugar de destaque, ao focalizar com vigor e clareza um dos momentos de maior decantação de toda nossa poesia moderna.
(Murilo Marcondes de Moura)

Dados Técnicos
Páginas: 204
Peso: 222g
ISBN: 9788590699330