Política e Escravidão em José de Alencar. O Tronco do Ipê, Sênio e os Debates em Torno da Emancipação. 1870-1871, livro de Dayana Façanha

Política e Escravidão em José de Alencar. O Tronco do Ipê, Sênio e os Debates em Torno da Emancipação. 1870-1871

editora: ALAMEDA
Dayana Façanha se debruça sobre O tronco do Ipê (1871), romance de José de Alencar ambientado numa fazenda escravista do Vale do Paraíba e escrito durante os debates que antecederam a Lei do Ventre Livre. Seguindo o preceito de Sidney Chalhoub e Carlo Ginzburg de que a literatura, “entranhada de história”, é “testemunho” de seu tempo, a autora esmiúça, com maestria, não só o texto desta e de outras obras de ficção de Alencar da mesma conjuntura, mas também discursos parlamentares e escritos jornalísticos dele e de seus contemporâneos. Deputado do Partido Conservador na Câmara nacional, Alen... [Leia mais]
R$ 40,10
preço de capa: R$ 46,00
economia de: R$ 5,90 (13%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$13,37 sem juros.
Apenas 2 em estoque.
Descrição
Dayana Façanha se debruça sobre O tronco do Ipê (1871), romance de José de Alencar ambientado numa fazenda escravista do Vale do Paraíba e escrito durante os debates que antecederam a Lei do Ventre Livre. Seguindo o preceito de Sidney Chalhoub e Carlo Ginzburg de que a literatura, “entranhada de história”, é “testemunho” de seu tempo, a autora esmiúça, com maestria, não só o texto desta e de outras obras de ficção de Alencar da mesma conjuntura, mas também discursos parlamentares e escritos jornalísticos dele e de seus contemporâneos. Deputado do Partido Conservador na Câmara nacional, Alencar se opunha à lei de 1871. Negando ser escravocrata, ele defendia a extinção (paulatina) do cativeiro, porém por alforrias na esfera particular, que não iriam adiantar-se à evolução da “educação” e dos “costumes” do País. O tronco do ipê, coerente com essa postura, apresenta as relações entre senhores e escravizados como harmoniosas, regidas por valores paternalistas. Dentro desta visão senhorial, no entanto, os cativos do romance, inclusive os africanos (notadamente o Pai Benedito, “feiticeiro bom”, física e moralmente belo), são retratados como “tutelandos” passíveis de uma integração positiva à sociedade livre. Contrastam muito aos escravos bárbaros, irredimíveis, que povoam alguns livros e relatos jornalísticos de impacto do período, inclusive de abolicionistas. Robert W. Slenes Professor de História, UNICAMP.

Dados Técnicos
Páginas: 272
Peso: 322g
ISBN: 9788579395116