Fogos de Artifício - Flaubert e a Escritura , livro de Verónica Galíndez-Jorge

Fogos de Artifício - Flaubert e a Escritura

editora: ATELIE
Filho do cirurgião-chefe, Achille Flaubert, e morando toda sua infância numa casa adjacente ao Hospital Municipal de Rouen (Normandia-França), Gustave Flaubert não podia deixar de ouvir o discurso médico que circulava no século XIX. É bom lembrar que os sonhos e as alucinações foram objetos de estudos científicos antes de Freud cuja Interpretação dos Sonhos data de 1900. Caracterizando suas personagens com esses dois fenômenos psíquicos, Flaubert, que já iniciou sua escritura em 1835, revela a capacidade de abertura do discurso literário a outros discursos não literários. Essa permeabilidad... [Leia mais]
R$ 35,36
preço de capa: R$ 42,00
economia de: R$ 6,64 (16%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$6,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$11,79 sem juros.
Apenas 1 em estoque.
Descrição
Filho do cirurgião-chefe, Achille Flaubert, e morando toda sua infância numa casa adjacente ao Hospital Municipal de Rouen (Normandia-França), Gustave Flaubert não podia deixar de ouvir o discurso médico que circulava no século XIX. É bom lembrar que os sonhos e as alucinações foram objetos de estudos científicos antes de Freud cuja Interpretação dos Sonhos data de 1900. Caracterizando suas personagens com esses dois fenômenos psíquicos, Flaubert, que já iniciou sua escritura em 1835, revela a capacidade de abertura do discurso literário a outros discursos não literários. Essa permeabilidade não somente aumenta o interesse dos leitores pela obra, mas também acaba com essa lenda da arte pela arte de Gustave Flaubert. Assim, Verónica Galíndez-Jorge consegue levar o leitor a rever a obra do autor de Madame Bovary e a atravessar "a odisseia pelos mares da escrita literária".

No entanto, a autora não se limitou a estudar os textos publicados, mas entrou de vez nos manuscritos de Flaubert. Utilizando a "pratica da leitura infinita sugerida por Borges a partir da prática da escrita em espiral", Verónica nos revela o "além do representável" através da metáfora flaubertiana Como as Mil Peças de um Fogo de Artifícios transformada em Fogos de Artifício: Flaubert e a Escritura. O ensaio de Verónica Galíndez-Jorge interessará sobremaneira os escritores e pesquisadores em literatura. - Philippe Willemart

Verónica Galíndez-Jorge é Professora e pesquisadora de Literatura Francesa na USP e dirige o Grupo de Estudos Literatura, Loucura, Escritura. Paralelamente, é Vice-diretora científica do Laboratório do Manuscrito Literário e membro do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Crítica Genética e da Associação dos Pesquisadores em Crítica Genética. Atualmente é co-editora da Manuscrítica, revista especializada em crítica genética. Este é seu primeiro livro.

Dados Técnicos
Peso: 380g
ISBN: 9788574804545