Divã ocidento-oriental, livro de Johann Wolfgang Goethe

Divã ocidento-oriental

Pré-Lançamento - Disponível em aproximadamente 20 dias
O Divã ocidento-oriental é o resultado do movimento de Goethe em direção ao Oriente, “de onde há milênios têm chegado a nós tantas coisas grandiosas, boas e belas”. Este desejo teve sua gênese no encontro do poeta alemão com o Diwan — “coletânea”, “ciclo” — do persa Hafez. Reunindo mais de 500 gazéis (poemas curtos e líricos, de temática mística ou amorosa), o Diwan de Hafez circulava pelo Oriente desde o século XIV.

Quando a primeira tradução integral deste conjunto chega a Goethe, ele é arrebatado por sua leitura e tomado de uma necessidade de responder produtivamen... [Leia mais]
Descrição
O Divã ocidento-oriental é o resultado do movimento de Goethe em direção ao Oriente, “de onde há milênios têm chegado a nós tantas coisas grandiosas, boas e belas”. Este desejo teve sua gênese no encontro do poeta alemão com o Diwan — “coletânea”, “ciclo” — do persa Hafez. Reunindo mais de 500 gazéis (poemas curtos e líricos, de temática mística ou amorosa), o Diwan de Hafez circulava pelo Oriente desde o século XIV.

Quando a primeira tradução integral deste conjunto chega a Goethe, ele é arrebatado por sua leitura e tomado de uma necessidade de responder produtivamente à “poderosa aparição” de Hafez, a quem Goethe passou a considerar um “gêmeo”. O alemão, então com 64 anos, decide renovar-se como criador e empreender sua viagem literária rumo ao Oriente. Por meio de leituras, pesquisas e traduções, o poeta se transplanta ao antigo mundo das Mil e uma noites, às civilizações dos livros sagrados e suas tradições poéticas. O Divã ocidento-oriental é o relato dessa imersão.

Sob estes signos, Goethe produz intensamente — só no primeiro ano de trabalho foram mais de 100 poemas. Ao fim do processo, as poesias “orientalizantes” foram reunidas em 12 livros temáticos. Os versos cantam o amor, a guerra, as religiões abraâmicas, o zoroastrismo, a sabedoria popular, a própria poesia, a mística islâmica do sufismo, bem como o êxtase da sensualidade e dos prazeres do corpo, incluídos aí a comida e o vinho. Aos poemas segue-se uma seção em prosa, em que Goethe destrincha seu fazer poético, suas fontes e brinda suas ideias sobre a história da literatura e da tradução. Outro encontro marcante na história do Divã é o de Goethe com Marianne von Willemer. A jovem é a interlocutora do jogo dialógico-amoroso presente em todo o Divã, onde assume a figura de Zuleica e Goethe, a de Hatem. No “Livro de Zuleica”, três poemas são da pena de Marianne, embora nunca creditados.

Esta tradução é a primeira vez em que a íntegra da poesia (aqui em versão bilíngue) e da prosa que compõem o Divã ocidento-oriental aparecem conjuntamente em português. O trabalho foi objeto de doutorado do tradutor e pesquisador Daniel Martineschen. O tradutor também assina um posfácio que conta mais sobre a escrita do Divã por Goethe, a história das traduções da obra, e a história da presente tradução.

Dados Técnicos
Páginas: 448
Peso: 450g
ISBN: 9788574483078