Antologia do pensamento crítico russo (1802-1901), livro de Bruno Barretto Gomide (org.)

Antologia do pensamento crítico russo (1802-1901)

editora: EDITORA 34
Coleção Leste

Traduções de Cecília Rosas, Denise Sales, Ekaterina Vólkova Américo, Graziela Schneider, Mário Ramos, Renata Esteves, Sonia Branco e Yulia Mikaelyan.

608 p. - 16 x 23 cm
2013 - 1ª edição

Quase cem anos separam os dois textos que servem de balizas cronológicas a esta Antologia do pensamento crítico russo. "Do amor à pátria e do orgulho nacional", de Karamzin, foi escrito antes do embate entre a Rússia e a França napoleônica, em 1812, e da subsequente ascen... [Leia mais]
R$ 68,93
preço de capa: R$ 89,00
economia de: R$ 20,07 (23%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$22,98 sem juros.
Apenas 2 em estoque.
Descrição
Coleção Leste

Traduções de Cecília Rosas, Denise Sales, Ekaterina Vólkova Américo, Graziela Schneider, Mário Ramos, Renata Esteves, Sonia Branco e Yulia Mikaelyan.

608 p. - 16 x 23 cm
2013 - 1ª edição

Quase cem anos separam os dois textos que servem de balizas cronológicas a esta Antologia do pensamento crítico russo. "Do amor à pátria e do orgulho nacional", de Karamzin, foi escrito antes do embate entre a Rússia e a França napoleônica, em 1812, e da subsequente ascensão do país à condição de gendarme da Europa. Já "A imortalidade como privilégio dos super-homens", de Fiódorov, veio à luz pouco antes da humilhante derrota frente ao Japão e da malograda revolução de 1905.

Nesse período, a literatura russa iria se tornar uma das mais prolíficas e admiradas do mundo. Incensados por sua espontaneidade e profundidade, seus ficcionistas granjearam, em especial no Ocidente, uma enorme fama, que no entanto acabou por eclipsar a importância da produção crítica, cuja principal arena de debates era a imprensa. Na cultura russa, moldada por um constante movimento pendular, ora afastando, ora aproximando seus escritores e publicistas, as relações entre leitor e autor foram tão estreitas, que, comumente, o mesmo personagem exercia ambas as atividades - fenômeno atestado pela presença, nesta coletânea, de nomes como Púchkin e Tolstói.

Organizado por Bruno Barretto Gomide - também responsável pela Nova antologia do conto russo -, este volume demonstra que, de Dostoiévski a Mikhailóvski, de Gógol a Bielínski, a produção crítica é peça fundamental para a compreensão da riquíssima cultura daquele país.

Sobre o organizador

Bruno Barretto Gomide nasceu no Rio de Janeiro em 1972. É doutor pela Unicamp, com estágio de doutorado na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Realizou cursos nas Universidades de Illinois, Indiana, Cambridge e Linguística de Moscou. Desde 2005 é professor de literatura russa na USP, onde atualmente coordena a pós-graduação da área. Publicou em 2011 o livro Da estepe à caatinga: o romance russo no Brasil (1887-1936) pela Edusp, fruto de sua tese de doutorado, e organizou a Nova antologia do conto russo (1792-1998), lançada pela Editora 34 no mesmo ano.

Dados Técnicos
Páginas: 608
Peso: 815g
ISBN: 9788573265446