Cândido ou o otimismo, livro de Voltaire

Cândido ou o otimismo

editora: EDITORA 34
Tradução: Samuel Titan Jr.

Conto filosófico, fábula ferina, crônica global, gazeta política, romance de aventuras? Não é fácil definir Cândido ou o otimismo, assim como é difícil resistir à muita graça e à pouca mercê que Voltaire pôs na narrativa das tribulações de Cândido e companhia. Expulso do castelo de Thunder-ten-tronckh e separado da bela Cunegundes, o herói descobrirá na própria carne que este mundo talvez não seja, ao contrário do que pretendia seu mestre Pangloss, "o melhor dos mundos possíveis". Para aprender a lição, percorrerá três continentes em ritmo vertiginoso... [Leia mais]
Descrição
Tradução: Samuel Titan Jr.

Conto filosófico, fábula ferina, crônica global, gazeta política, romance de aventuras? Não é fácil definir Cândido ou o otimismo, assim como é difícil resistir à muita graça e à pouca mercê que Voltaire pôs na narrativa das tribulações de Cândido e companhia. Expulso do castelo de Thunder-ten-tronckh e separado da bela Cunegundes, o herói descobrirá na própria carne que este mundo talvez não seja, ao contrário do que pretendia seu mestre Pangloss, "o melhor dos mundos possíveis". Para aprender a lição, percorrerá três continentes em ritmo vertiginoso, numa sucessão de desgraças e suplícios, fugas trepidantes e discussões filosóficas que têm feito rir seus muitos leitores desde a primeira edição, em janeiro de 1759.

Obra-prima da ficção de Voltaire, Cândido ou o otimismo foi publicado em 1759 e se converteu no ato em um best seller europeu. Com pluma ligeira e afiada, o grande filósofo do Iluminismo recolhe a história recente de sua época, como o terremoto de Lisboa em 1755 e a Guerra dos Sete Anos (1756-63), e narra as aventuras de um jovem que percorre três continentes numa sucessão vertiginosa de desgraças, fugas e suplícios, sempre acreditando, apesar das evidências, que este é "o melhor dos mundos possíveis". Esta nova tradução, que capta todo o brilho do original, vem acompanhada dos belos desenhos de Paul Klee e de um inspirado posfácio de Italo Calvino.

Sobre o autor

François-Marie Arouet nasceu em Châtenay, em 1694. Filho de um notário abastado, foi educado em Paris por padres jesuítas. Em vez de estudar direito, como queria o pai, dedicou-se às letras sob o pseudônimo de Voltaire. Não tardou a conquistar renome, e depois de duas passagens pela prisão da Bastilha, passou dois anos na Inglaterra (1726-1728). Ao voltar, causou escândalo com suas Cartas filosóficas (1734) e viu-se forçado a fugir de Paris. Em Cirey, sob a proteção de Madame du Châtelet, escreveu os Elementos da filosofia de Newton (1738). Em 1745, tornou-se Historiador Real e, um ano depois, membro da Academia Francesa. Em 1750, a convite de Frederico II, instalou-se em Potsdam; em 1753, rompeu com o monarca e deixou a Alemanha. Impedido por Luís XV de voltar a Paris, Voltaire acabou por se instalar em 1758 em Ferney, perto de Genebra, onde concluiu a redação de Cândido, publicado em 1759, e manteve pelas duas décadas seguintes uma intensa atividade literária, filosófica e polêmica, sobretudo contra a tirania do Estado e da Igreja. Em 1778, depois de quase trinta anos de ausência, voltou a Paris. Morreu na capital francesa em 30 de maio do mesmo ano.

Sobre o ilustrador

Paul Klee nasceu em Münchenbuchsee, na Suíça, em 1879. Filho de músicos, mas desenhista de talento desde a infância, preferiu dedicar-se às artes plásticas, que estudou em Munique de 1898 a 1901. Depois de uma viagem decisiva à Itália, voltou a Munique, onde travou contato com o expressionismo, tomou parte na revista Der Blaue Reiter (1912) e fez amizades duradouras com Franz Marc, Alfred Kubin e Wassily Kandinsky. Depois da guerra, tornou-se professor na Bauhaus de Weimar e Dessau, onde ensinou de 1920 a 1931; além de uma enorme produção artística, data dessa época o essencial de seus escritos e reflexões sobre a arte moderna. Em 1933, foi forçado a deixar a Alemanha e voltar para a Suíça; instalou-se novamente em Berna, onde continuou produzindo, apesar da saúde declinante. Klee faleceu em junho de 1940, numa clínica em Muralto.

Dados Técnicos
Páginas: 200
Peso: 310g
ISBN: 9788573265231