Sobre a exceção humana: carta a Jung, Lacan, Schmitt, livro de João Galvão

Sobre a exceção humana: carta a Jung, Lacan, Schmitt

editora: LIBER ARS
assunto:
Neste trabalho teórico de desconstrução se conjuga seguramente com uma perspectiva genealógica, de forma que é a genealogia da soberania que está aqui também em pauta. No que tange a isso, é a referência à Nietzsche que delineia as trilhas desta investigação, na sua incidência diferencial sobre os discursos teóricos de Foucault, Benjamin e Derrida, na medida que a articulação dos registros da vida e do poder seriam a condição de possibilidade para que a desconstrução da soberania se cônjuge com a genealogia desta. [...]



O autor se volta para a psicanálise no seu percurso teó... [Leia mais]
R$ 43,38
preço de capa: R$ 58,00
economia de: R$ 14,62 (25%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$14,46 sem juros.
Apenas 2 em estoque.
Descrição
Neste trabalho teórico de desconstrução se conjuga seguramente com uma perspectiva genealógica, de forma que é a genealogia da soberania que está aqui também em pauta. No que tange a isso, é a referência à Nietzsche que delineia as trilhas desta investigação, na sua incidência diferencial sobre os discursos teóricos de Foucault, Benjamin e Derrida, na medida que a articulação dos registros da vida e do poder seriam a condição de possibilidade para que a desconstrução da soberania se cônjuge com a genealogia desta. [...]



O autor se volta para a psicanálise no seu percurso teórico, seja como instrumento de análise seja como objeto teórico inscrito no campo da soberania. Se os registros do inconsciente e das intensidades, subjacentes aos campos da linguagem e da vida, são operadores teóricos decisivos para a leitura da soberania, por um lado, aqueles se inscrevem também no campo da incidência desta, pelo outro. Assim, as cartas do jogo psicanalítico são embaralhados, destacando-se Freud, num pólo deste campo, e Jung e Lacan, no outro pólo. Com efeito, se Freud privilegiou o registro das intensidades, Jung e Lacan, em contrapartida, privilegiaram os registros da imagem e da linguagem fonética. Vale dizer, o que o autor enuncia é que a soberania regularia o inconsciente, seja pela via das imagens seja pela da linguagem. (Joel Birman)

Dados Técnicos
Páginas: 280
Peso: 412g
ISBN: 9788564783140