Experimentações em Diamantina. A prática do IPHAN em uma cidade tombada, livro de Cristiane Souza Gonçalves

Experimentações em Diamantina. A prática do IPHAN em uma cidade tombada

editora: UNIFESP
A preservação das cidades é tema importante num mundo em que a maior parte da população é urbana. O livro de Cristiane Souza Gonçalves é referência importante, não apenas para pesquisadores e profissionais envolvidos com o assunto, mas também para estudantes e os que vivem nas cidades. Sua pesquisa sobre o conjunto arquitetônico e urbanístico de Diamantina, tombado pelo Iphan em 1938, começa por uma avaliação das práticas de preservação no Brasil, seus objetivos e escolhas, e em seguida aborda seu desenvolvimento no cotidiano daquela cidade. Além da caracterização da Diamantina colonial, a ... [Leia mais]
R$ 45,00
preço de capa: R$ 59,90
economia de: R$ 14,90 (25%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$5,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$15,00 sem juros.
Apenas 1 em estoque.
Descrição
A preservação das cidades é tema importante num mundo em que a maior parte da população é urbana. O livro de Cristiane Souza Gonçalves é referência importante, não apenas para pesquisadores e profissionais envolvidos com o assunto, mas também para estudantes e os que vivem nas cidades. Sua pesquisa sobre o conjunto arquitetônico e urbanístico de Diamantina, tombado pelo Iphan em 1938, começa por uma avaliação das práticas de preservação no Brasil, seus objetivos e escolhas, e em seguida aborda seu desenvolvimento no cotidiano daquela cidade. Além da caracterização da Diamantina colonial, a autora fala das escolhas do órgão federal de preservação de 1938 a 1967, primeiros passos do Iphan, identificando os procedimentos empregados naquela cidade “patrimônio nacional” para a delimitação da área tombada e intervenções nos imóveis antigos e de modernização do conjunto. A cuidadosa pesquisa em fontes documentais nos leva a conhecer as relações estabelecidas no decorrer desses procedimentos, com a formação de uma rede, envolvendo as representações do Iphan – local, estadual e direção central –, a prefeitura e outras autoridades estaduais, municipais e eclesiásticas. Cristiane fala dos conflitos motivados pelo binômio desenvolvimento-preservação e de como essa rede era o lugar de tensões, entendimentos e imposições relativos à construção de uma identidade nacional, por meio da apropriação de bens selecionados pelo Iphan, a preservar, que deveriam merecer dos participantes da rede e da população local a mesma atenção, independentemente de sua compreensão a respeito do valor nacional atribuído pela instituição. A visão crítica da autora – generosa ao contextualizar as ações no período que aborda e ao reproduzir documentos que ficam disponíveis para novos estudos – vem se juntar, com louvor, a outros trabalhos sobre a preservação no Brasil, contribuindo para a atualização das práticas nos novos contextos que se apresentam.

Dados Técnicos
Páginas: 256
Peso: 516g
ISBN: 9788555710476