Organistas, organeiros e órgãos - Crônicas sobre a história da música no Brasil, livro de Dorotéa Kerr

Organistas, organeiros e órgãos - Crônicas sobre a história da música no Brasil

editora: UNESP
Após ter acesso a um documento datado de 1552, em que o bispo Dom Pedro Fernandes Sardinha solicitava que o rei de Portugal não se esquecesse de enviar novos órgãos para a colônia, a musicista Dorotéa Kerr se envolveu definitivamente no estudo do instrumento. Ela, que é organista de igreja e de recitais, pesquisa o tema e já realizou coletâneas de partituras, documentos e entrevistas com compositores que acabaram resultando em trabalhos sobre a história do órgão no Brasil.

Agora a autora utiliza este conhecimento acumulado para discorrer, ao longo de 33 crônicas, sobre o assu... [Leia mais]
R$ 54,00
preço de capa: R$ 68,00
economia de: R$ 14,00 (21%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$6,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$18,00 sem juros.
Apenas 1 em estoque.
Descrição
Após ter acesso a um documento datado de 1552, em que o bispo Dom Pedro Fernandes Sardinha solicitava que o rei de Portugal não se esquecesse de enviar novos órgãos para a colônia, a musicista Dorotéa Kerr se envolveu definitivamente no estudo do instrumento. Ela, que é organista de igreja e de recitais, pesquisa o tema e já realizou coletâneas de partituras, documentos e entrevistas com compositores que acabaram resultando em trabalhos sobre a história do órgão no Brasil.

Agora a autora utiliza este conhecimento acumulado para discorrer, ao longo de 33 crônicas, sobre o assunto. Ela divide sua obra em três momentos: organistas, compositores e construtores. Dorotéa Kerr reflete como a atividade organista costuma estar à margem da produção musical e aponta para a desvalorização da arte de preservação e manutenção dos órgãos. Neste livro, que mistura relatos com pesquisa documental, a autora realiza um registro da prática organista e de um lado pouco conhecido da história musical do país.

Sobre a autora

Professora do Instituto de Artes da Unesp, câmpus de São Paulo, Dorotéa Kerr está ligada desde cedo ao órgão. Filha de pastor presbiteriano, foi estimulada a estudar música. Aprendeu a tocar piano com 6 anos e órgão eletrônico, aos 14, em Jandira (SP), onde o pai ensinava. No ano seguinte, conseguiu o primeiro emprego de organista na Igreja Presbiteriana Unida, onde tocou por 21 anos. Fez o curso de órgão na Escola Superior de Música Santa Marcelina, em São Paulo, e foi uma das fundadoras, em 1977, da Associação Paulista de Organistas. (fonte: Revista Unesp Ciência, julho/2011)

Dados Técnicos
Páginas: 304
Peso: 328g
ISBN: 9788539300990