Irineu Marinho: Imprensa e Cidade, livro de Maria Alice Rezende de Carvalho

Irineu Marinho: Imprensa e Cidade

editora: GLOBO
Uma imprensa independente sem subvenção do Estado, sustentada apenas por anúncios e pela venda de exemplares dirigida não só a formadores de opinião, mas para todos os segmentos de uma sociedade que se transformava a toque de caixa. No início do século XX, esses conceitos embalaram os projetos de toda uma geração de empreendedores na então capital da República, o Rio de Janeiro, inspirando o lançamento das bases da indústria jornalística moderna. É esse pouco lembrado período de ebulição de ideias que emerge em cores vivas em Irineu Marinho Imprensa e Cidade, lançamento da Globo Livros e do... [Leia mais]
Descrição
Uma imprensa independente sem subvenção do Estado, sustentada apenas por anúncios e pela venda de exemplares dirigida não só a formadores de opinião, mas para todos os segmentos de uma sociedade que se transformava a toque de caixa. No início do século XX, esses conceitos embalaram os projetos de toda uma geração de empreendedores na então capital da República, o Rio de Janeiro, inspirando o lançamento das bases da indústria jornalística moderna. É esse pouco lembrado período de ebulição de ideias que emerge em cores vivas em Irineu Marinho Imprensa e Cidade, lançamento da Globo Livros e do Memória Globo. Resultado final de dois anos de pesquisa do Memória Globo nos diferentes acervos que disponibilizam as coleções de jornais relacionadosà trajetória de Irineu Marinho, sua correspondência e registros de sua vida civil e de sua atividade como homem público e empresário, o livro foi escrito pela historiadora e socióloga Maria Alice Rezende de Carvalho. Não se trata de uma biografia, mas, sim, de uma vigorosa análise do jornalismo exercido no começo do século XX, filtrada através da experiência de Irineu Marinho e de seu jornal A Noite. Fundado em 1911, o veículo destacou-se entre outros órgãos da "nova imprensa brasileira" peloímpeto com que encabeçou o movimento de renovação do modo de produção de notícias na cidade do Rio de Janeiro. Como empresa que se pretendia autônoma, livre das benesses e ingerências do poder político, buscava a autossuficiência financeira. Uma vezque o lucro dependia de leitores e anunciantes, A Noite buscou conquistar o leitor comum, mergulhando na cultura popular e modernizando a linguagem e a temática da pauta jornalística: o jornal publicava o resultado do jogo do bicho, envolvia-se nosproblemas urbanos do dia a dia e investia no noticiário policial, atendendo a novas faixas de público, fora do alcance do jornalismo sisudo e beletrista praticado até então.

Dados Técnicos
Páginas: 232
Peso: 370g
ISBN: 9788525053022