México profundo: uma civilização negada, livro de Guillermo Bonfil Batalla

México profundo: uma civilização negada


R$ 41,30
preço de capa: R$ 59,00
economia de: R$ 17,70 (30%)
editora: UNB
prazo: Postagem em 1 dia útil + frete
Apenas 2 em estoque.
  • Mulheres, raça e classe, livro de Angela Davis

    Mulheres, raça e classe

    Angela Davis

    R$ 54,00
    R$ 37,80


  • Pensamento feminista - Conceitos fundamentais, livro de Heloisa Buarque de Hollanda (org.)

    Pensamento feminista - Conceitos fundamentais

    Heloisa Buarque de Hollanda (org.)

    R$ 76,00
    R$ 53,20


  • Pensamento feministas brasileiro - Formação e contexto, livro de Heloisa Buarque de Hollanda (org.)

    Pensamento feministas brasileiro - Formação e contexto

    Heloisa Buarque de Hollanda (org.)

    R$ 65,00
    R$ 45,50


  • Sintomas Mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira, livro de Sabrina Fernandes

    Sintomas Mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira

    Sabrina Fernandes

    R$ 50,00
    R$ 40,00


  • Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra, livro de bell hooks

    Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra

    bell hooks

    R$ 50,00
    R$ 40,00


  • A classe trabalhadora: de Marx ao nosso tempo, livro de Marcelo Badaró Mattos

    A classe trabalhadora: de Marx ao nosso tempo

    Marcelo Badaró Mattos

    R$ 42,00
    R$ 29,40


  • Pensamento feminista negro - conhecimento, consciência e a política do empoderamento, livro de Patricia Hill Collins

    Pensamento feminista negro - conhecimento, consciência e a política do empoderamento

    Patricia Hill Collins

    R$ 73,00
    R$ 51,10


Descrição
Por que México profundo deve ser divulgado em nossa língua, já que o espanhol não nos é estranho e está sempre presente nas nossas listas de leitura? Porque, primeiramente, é um tributo que fazemos a Bonfil Batalla, um dos grandes antropólogos mexicanos do século XX a pensar a questão indígena na América Latina fora dos esquemas consagrados pela ordem constituída. Segundo, porque, embora o espanhol nos seja muito familiar, não deixa de ter suas armadilhas para os falantes de português; a proximidade histórica de ambas não elimina o fato de que são, afinal, duas línguas distintas, com estruturas próprias. Frequentes mal-entendidos gramaticais e léxicos perturbam a compreensão e podem levar a interpretações errôneas. Terceiro, porque reconhecemos nesta obra a atualidade do tema e a persistência do problema do apagamento histórico, intelectual e político. Quarto, porque as mensagens inscritas em México profundo vão muito além do contexto mexicano. Que país da América Latina, ou de qualquer outro nas Américas, pode em sã consciência renegar seu substrato mais ou menos profundo de matéria indígena, por mais que o queira negar? Do Alasca à Argentina, não só os índios não estão todos mortos, como ressurgem das cinzas a que os invasores os tentaram reduzir. Essas fênix resistentes ao desaparecimento são o contraponto que permite desmistificar as pretensões de ordem e progresso das novas nações americanas. A Biblioteca de Antropologia e Ciências Sociais Brasil-México foi idealizada com o objetivo de ampliar a aproximação e o diálogo entre duas das mais estimulantes comunidades de cientistas sociais na América Latina. Tendo iniciado com a publicação de autores brasileiros no México, a tradução de México profundo para o português inaugura o esforço da Biblioteca em visibilizar autores mexicanos no Brasil. Além de ampliar o acesso às respectivas obras, a Biblioteca dá visibilidade a reflexões criativas e originais que constituem uma contribuição singular para as ciências sociais fora dos centros hegemônicos tradicionais. A Universidade de Brasília (UnB) e o Centro de Investigações e Estudos Superiores em Antropologia Social (Ciesas) se orgulham dessa parceria, na expectativa de que esse diálogo cruzado possa iluminar o que compartilhamos, assim como o contraste de visões sobre as Ciências Sociais e a América Latina. A Biblioteca de Antropologia e Ciências Sociais Brasil-México também é produto de parcerias com as embaixadas dos dois países, que apoiaram as traduções nas duas direções. No que concerne a México profundo, devemos um agradecimento especial à embaixadora Beatriz Paredes, que não poupou esforços para viabilizar esta tradução.

Dados Técnicos
Páginas: 334
Peso: 433g
ISBN: 9788523010027
Google Books Preview





A 30PorCento é uma livraria virtual cuja missão principal é potencializar, através dos livros, a renovação do pensamento crítico brasíleiro. Oferecemos livros com desconto em todo nosso catálogo.

Frete: além do Sedex e das entregas de Bicicleta, utilizamos também uma categoria especial e econômica para postagem de livros no correio chamada Impresso com Registro Módico, cujo preço é fixo, por peso, para qualquer cidade do Brasil.

Política de troca e devolução: produtos vendidos e enviados pela Livraria 30porcento podem ser devolvidos em até 30 dias após o recebimento do pedido. Para receber o reembolso total, os produtos devolvidos devem estar em condições de novo. Produtos com defeito podem ser devolvidos no prazo de garantia legal solicitados por email em até 30 dias.


Link para a revista literária O Benedito.

> 7LETRAS
> ALEPH
> ALFAGUARA
> AMARILYS
> ANNABLUME
> ATELIE
> AUTENTICA
> AUTONOMIA LITERÁRIA
> BEM-TE-VI
> BIBLIOTECA AZUL
> BLUCHER
> BOITEMPO
> CARAMBAIA
> COMPANHIA DAS LETRAS
> CORTEZ
> COSACNAIFY
> DISCURSO EDITORIAL
> EDIÇÕES LOYOLA
> EDIPRO
> EDITORA 34
> EDITORA UFRJ
> EDITORA UFV
> EDIÇÕES 70
> EDUEL
> EDUEM
> EDUERJ
> EDUFPA
> EDUSP
> ELEFANTE
> ESTAÇÃO LIBERDADE
> EXPRESSÃO POPULAR
> GLOBAL
> HEDRA
> HUMANITAS
> ILUMINURAS
> INSTITUTO MOREIRA SALLES
> INSTITUTO PIAGET
> MANOLE
> MARTINS FONTES
> MERCADO DE LETRAS
> MUNDARÉU
> NOVA ALEXANDRIA
> NOVA FRONTEIRA
> MUSA
> OCTAVO
> PALAS ATHENA
> PAZ E TERRA
> PERSPECTIVA
> PONTES
> RADIO LONDRES
> SENAC
> SESC SP
> TINTA DA CHINA
> TODAVIA
> TORDESILHAS
> UBU EDITORA
> UNESP
> UNICAMP
> VOZES
> WMF MARTINS FONTES
> ZAHAR
+ editoras




Blog Não Gosto de Plágio - a polêmica do plágio de traduções literárias no Brasil, por Denise Bottmann