A linguagem rural da região de Major Porto, município de Patos de Minas (MG): uma visão linguístico-ecossistêmica , livro de Hildo Honório do Couto

A linguagem rural da região de Major Porto, município de Patos de Minas (MG): uma visão linguístico-ecossistêmica

editora: PONTES
Este livro não é um exercício de nostalgia. O Dr. Hildo Honório do Couto explica-o na Introdução, o que, na verdade não era necessário. Nostalgia é o contrário da visão ecolinguística e diversófila em que ele se baseia. Nostalgia é estática, pois pretende congelar, mumificar e manter ao abrigo da vida uma situação mitificada e falsamente idílica. A proposta de A linguagem rural da região de Major Porto, município de Patos de Minas: Uma visão linguístico-ecossistêmica implica reconhecer e celebrar a diversidade, quer dizer, a mudança, a surpreendente capacidade dos seres humanos de adaptar-s... [Leia mais]
R$ 34,00
preço de capa: R$ 40,00
economia de: R$ 6,00 (15%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$6,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$11,33 sem juros.
Apenas 1 em estoque.
Descrição
Este livro não é um exercício de nostalgia. O Dr. Hildo Honório do Couto explica-o na Introdução, o que, na verdade não era necessário. Nostalgia é o contrário da visão ecolinguística e diversófila em que ele se baseia. Nostalgia é estática, pois pretende congelar, mumificar e manter ao abrigo da vida uma situação mitificada e falsamente idílica. A proposta de A linguagem rural da região de Major Porto, município de Patos de Minas: Uma visão linguístico-ecossistêmica implica reconhecer e celebrar a diversidade, quer dizer, a mudança, a surpreendente capacidade dos seres humanos de adaptar-se, de criar cultura local, o que implica língua local. As práticas linguísticas dos habitantes da atual Major Porto (ex-Capelinha do Chumbo) são resultado da interação interpessoal que se dá no contexto do território. Estes são os três elementos básicos da Linguística Ecossistêmica: interação (língua) interpessoal (povo) em um lugar (território), entendendo língua não como “código” ou “instrumento”, mas como a dinâmica da própria interação. Os textos de Couto que formam este livro já implicam o valor desta interação, única e localizada em uma comunidade linguística maior, ao mesmo tempo produto e produtora de uma cultura que perdura porque evolui. Esta reivindicação, que é a reivindicação da diversidade, da possibilidade da diferença, vai contra as forças homogeneizadoras da ideologia padrão e do estado-nação. Vai contra a mentalidade uniformizadora que considera as línguas como códigos civis (ou penais) com seus artigos prescritivos e seus anátemas: “isto não é correto”, “você não sabe falar”, “esta expressão é própria de ignorantes”. Conceber a língua como interação é compreender a dinâmica da vida.

Dados Técnicos
Páginas: 160
Peso: 261g
ISBN: 9786556371511