O mito nazista. Seguido de O espírito do Nacional-socialismo e o seu Destino, livro de Philippe Lacoue-Labarthe, Jean-Luc Nancy

O mito nazista. Seguido de O espírito do Nacional-socialismo e o seu Destino

editora: ILUMINURAS
O mito nazista de Philippe Lacoue-Labarthe e Jean-Luc Nancy contém uma pesquisa sobre a ideologia nazista, cujo núcleo é localizado no racismo. A base dessa ideologia foi a “identificação mítica”: “o mito, como a obra de arte que o explora, é um instrumento de identificação. Ele é mesmo o instrumento mimético por excelência”, escrevem os autores. Esse mimetismo, exige certos tipos (modelos) que devem garantir a construção da identidade. No caso da Alemanha essa construção se deu em oposição às nações “já formadas” como a França e a Itália (apesar de sua unificação tardia). O específico da A... [Leia mais]
R$ 35,00
preço de capa: R$ 40,00
economia de: R$ 5,00 (13%)
Frete Grátis
para pedidos acima de R$99,00 ou frete fixo de R$6,90 para todo o Brasil.
Parcele
sua compra em 3x de R$11,67 sem juros.
Apenas 1 em estoque.
Descrição
O mito nazista de Philippe Lacoue-Labarthe e Jean-Luc Nancy contém uma pesquisa sobre a ideologia nazista, cujo núcleo é localizado no racismo. A base dessa ideologia foi a “identificação mítica”: “o mito, como a obra de arte que o explora, é um instrumento de identificação. Ele é mesmo o instrumento mimético por excelência”, escrevem os autores. Esse mimetismo, exige certos tipos (modelos) que devem garantir a construção da identidade. No caso da Alemanha essa construção se deu em oposição às nações “já formadas” como a França e a Itália (apesar de sua unificação tardia). O específico da Alemanha consistiu, segundo os autores, na sua identificação com uma Grécia mítica/mística que teria sido “descoberta” por autores alemães no final do século XVIII (em oposição à Grécia “clássica” italiana e francesa) e apresentada como o tipo a ser imitado. É claro que Lacoue-Labarthe e Nancy são extremamente cuidadosos ao apresentar essa tese: para eles o nazismo não deve ser simplesmente identificado com as obras de Kant, Fichte, Hölderlin ou Nietzsche (todos pensadores solicitados pelo nazismo (ou mesmo com o músico Wagner, assim como o Gulag não está em Hegel ou em Marx. A tese da origem estética do mito nazista, desse mito como a busca de uma ontotipologia, de um corpo primeiro de onde o corpo do “povo alemão” teria descendido, é radicalizada por Philippe Lacoue-Labarthe no seu ensaio “O Espírito do Nacional-socialismo e o seu Destino”. Lacoue-Labarthe vai além do diagnóstico de Walter Benjamin que viu no nazismo a estetização da política e pregou então a politização da arte como resposta. O autor apresenta aqui, a partir de uma leitura de Heidegger, uma tese polêmica, ousada, segundo a qual haveria uma identidade entre a Estética e a concepção mesma de ontotipologia que estava na base do nazismo. 0 nazismo é revelado como concretização da ideologia Estética.

Dados Técnicos
Páginas: 96
Peso: 200g
ISBN: 9786555190335