A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume I, livro de Saul Friedländer

A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume I


R$ 76,50
preço de capa: R$ 85,00
economia de: R$ 8,50 (10%)
   adicionar ao carrinho
editora: PERSPECTIVA
condição: Livro novo
prazo: Sob encomenda. Envio em 3 dias úteis + frete (grátis nas compras acima de R$149 para todo o Brasil)
  • Ler Marx, livro de Emmanuel Renault, Gérard Duménil, Michael Löwy

    Ler Marx

    Emmanuel Renault, Gérard Duménil, Michael Löwy

    R$ 58,00
    R$ 40,60


  • Leão-de-chácara (Portátil 8), livro de João Antônio

    Leão-de-chácara (Portátil 8)

    João Antônio

    R$ 23,90
    R$ 19,12


  • Dostoiévski. Filosofia, Romance E Experiência Religiosa, livro de Luigi Pareyson

    Dostoiévski. Filosofia, Romance E Experiência Religiosa

    Luigi Pareyson

    R$ 39,00
    R$ 27,30


  • A desumanização, livro de valter hugo mãe

    A desumanização

    valter hugo mãe

    R$ 34,90
    R$ 27,92


  • A caverna, livro de José Saramago

    A caverna

    José Saramago

    R$ 62,90
    R$ 47,18


  • A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume II, livro de Saul Friedländer

    A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume II

    Saul Friedländer

    R$ 157,00
    R$ 141,30


  • Afinidades revolucionárias - 
Nossas estrelas vermelhas e negras. Por uma solidariedade entre marxistas e libertários , livro de Olivier Besancenot, Michael Löwy

    Afinidades revolucionárias - Nossas estrelas vermelhas e negras. Por uma solidariedade entre marxistas e libertários

    Olivier Besancenot, Michael Löwy

    R$ 38,00
    R$ 26,22


Descrição
O êxito e a acolhida das ideias e da pregação política do nazismo pelas elites e pela massa do povo alemão, que se tornou o fundamento do Terceiro Reich, culminaram nos bárbaros crimes cometidos durante a Segunda Guerra Mundial e, por isso mesmo, continuam a ocupar um lugar perturbador e central na consciência histórica da humanidade, num misto de perplexidade e ignomínia, negação e desdém, cuja projeção se concentra iconicamente na figura de seu líder. Sem Hitler, de fato, o nacional-socialismo teutônico provavelmente não teria existido como tal, uma vez que a implementação de sua máquina de extermínio racista exigia uma personagem de enorme carisma, influência, capacidade de aglutinação e mobilização das massas e de sua condução. Se isso tornava o Partido Nazista dependente do führer em suas principais decisões, de um lado, nem por isso, de outro, basta para explicar por que a engrenagem funcionou tão bem. Por certo, seria preciso não só remontar às raízes histórico-ideológicas desenvolvidas pelos processos políticos da Alemanha pós-bismarckiana, tão entranhados no geist germânico, como às consequências socioeconômicas da derrocada na Primeira Guerra Mundial. Foram esses elementos que deram origem aos agentes patológicos que passaram a circular pela mentalidade e pelo corpo da sociedade conflituosa da República de Weimar e que deu ascenso à fúria do führer racial salvador.
Em A Alemanha Nazista e os Judeus: Os Anos da Perseguição, 1933-1939, Saul Friedländer afirma como causa fundamental do êxito operacional do genocídio judeu o “antissemitismo redentor […], essa síntese entre uma raiva assassina e uma meta ‘idealista’, compartilhada pelo líder nazista e o núcleo duro do partido”, ressalvando, porém, que o “líder nazista não tomava suas decisões independentemente do partido e das organizações governamentais. Suas iniciativas [...] eram moldadas não apenas por sua visão de mundo, mas também pelo impacto de pressões internas, o peso das limitações burocráticas, a influência da opinião pública alemã como um todo e até as reações de governos estrangeiros e opiniões do exterior”.
Outros fatores, contudo, também concorreram para que a história tomasse o rumo que tomou e têm de ser levados em conta. Até que ponto essa obsessão ideológica era compartilhada pelo partido e pela população como um todo? Como as ruas alemãs receberam leis como as de Nurembergue? Como os judeus viram a ascensão do Partido Nacional-Socialista? Qual o papel desempenhado por pessoas comuns e personalidades diante do discurso de ódio e da escalada da violência racial e política, que incluía não apenas os judeus, como os ciganos, os homossexuais, os deficientes físicos e, a longo prazo, as “raças inferiores” submetidas à supremacia ariana? Saul Friedländer busca as respostas em A Alemanha Nazista e os Judeus, cuja abordagem não convencional lhe valeu o prêmio Pulitzer de 2008. A editora Perspectiva traz agora ao público brasileiro o primeiro dos dois volumes desta obra, que compõe um panorama detalhado, poderoso e consistente, que une o rigor acadêmico ao olhar de escritor, movido tanto pela força da memória de quem viveu os horrores da guerra, como pela disciplina do historiador, ao enfocar o tema com dignidade e distanciamento crítico. Na vasta literatura sobre o nazismo e o Holocausto, esta é sem dúvida uma obra de referência indispensável.

Dados Técnicos
Páginas: 456
Peso: 680g
ISBN: 9788527309042
Google Books Preview
Resenhas
resenha:  De frente para o horror, por Marcos Guterman [estadão]




A 30PorCento é uma livraria virtual cuja missão principal é potencializar, através dos livros, a renovação do pensamento crítico brasíleiro. Oferecemos livros com desconto em todo nosso catálogo.

Frete: além do Sedex e das entregas de Bicicleta, utilizamos também uma categoria especial e econômica para postagem de livros no correio chamada Impresso com Registro Módico, cujo preço é fixo, por peso, para qualquer cidade do Brasil.

Política de troca e devolução: produtos vendidos e enviados pela Livraria 30porcento podem ser devolvidos em até 30 dias após o recebimento do pedido. Para receber o reembolso total, os produtos devolvidos devem estar em condições de novo. Produtos com defeito podem ser devolvidos no prazo de garantia legal solicitados por email em até 30 dias.


Link para a revista literária O Benedito.

> 7LETRAS
> ALEPH
> ALFAGUARA
> AMARILYS
> ANNABLUME
> ATELIE
> AUTENTICA
> BEM-TE-VI
> BIBLIOTECA AZUL
> BLUCHER
> BOITEMPO
> CARAMBAIA
> COMPANHIA DAS LETRAS
> CORTEZ
> COSACNAIFY
> DISCURSO EDITORIAL
> EDIÇÕES LOYOLA
> EDIPRO
> EDITORA 34
> EDITORA UFRJ
> EDITORA UFV
> EDIÇÕES 70
> EDUEL
> EDUEM
> EDUERJ
> EDUFPA
> EDUSP
> ESTAÇÃO LIBERDADE
> EXPRESSÃO POPULAR
> GLOBAL
> HEDRA
> HUMANITAS
> ILUMINURAS
> INSTITUTO MOREIRA SALLES
> INSTITUTO PIAGET
> MANOLE
> MARTINS FONTES
> MERCADO DE LETRAS
> MUNDARÉU
> NOVA ALEXANDRIA
> NOVA FRONTEIRA
> MUSA
> OCTAVO
> PALAS ATHENA
> PAZ E TERRA
> PERSPECTIVA
> PONTES
> RADIO LONDRES
> SENAC
> SESC SP
> TINTA DA CHINA
> TODAVIA
> TORDESILHAS
> UBU EDITORA
> UNESP
> UNICAMP
> VOZES
> WMF MARTINS FONTES
> ZAHAR
+ editoras




Blog Não Gosto de Plágio - a polêmica do plágio de traduções literárias no Brasil, por Denise Bottmann