A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume I, livro de Saul Friedländer

A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume I


R$ 76,50
preço de capa: R$ 85,00
economia de: R$ 8,50 (10%)
   adicionar ao carrinho
editora: PERSPECTIVA
condição: Livro novo
prazo: Sob encomenda. Envio em 3 dias úteis + frete (grátis nas compras acima de R$149 para todo o Brasil)
  • Ler Marx, livro de Emmanuel Renault, Gérard Duménil, Michael Löwy

    Ler Marx

    Emmanuel Renault, Gérard Duménil, Michael Löwy

    R$ 58,00
    R$ 40,60


  • Leão-de-chácara (Portátil 8), livro de João Antônio

    Leão-de-chácara (Portátil 8)

    João Antônio

    R$ 23,90
    R$ 19,12


  • Dostoiévski. Filosofia, Romance E Experiência Religiosa, livro de Luigi Pareyson

    Dostoiévski. Filosofia, Romance E Experiência Religiosa

    Luigi Pareyson

    R$ 39,00
    R$ 27,30


  • A desumanização, livro de valter hugo mãe

    A desumanização

    valter hugo mãe

    R$ 34,90
    R$ 27,92


  • A caverna, livro de José Saramago

    A caverna

    José Saramago

    R$ 62,90
    R$ 47,18


  • A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume II, livro de Saul Friedländer

    A Alemanha Nazista e os Judeus - Volume II

    Saul Friedländer

    R$ 157,00
    R$ 141,30


  • Afinidades revolucionárias - 
Nossas estrelas vermelhas e negras. Por uma solidariedade entre marxistas e libertários , livro de Olivier Besancenot, Michael Löwy

    Afinidades revolucionárias - Nossas estrelas vermelhas e negras. Por uma solidariedade entre marxistas e libertários

    Olivier Besancenot, Michael Löwy

    R$ 38,00
    R$ 26,60


Descrição
O êxito e a acolhida das ideias e da pregação política do nazismo pelas elites e pela massa do povo alemão, que se tornou o fundamento do Terceiro Reich, culminaram nos bárbaros crimes cometidos durante a Segunda Guerra Mundial e, por isso mesmo, continuam a ocupar um lugar perturbador e central na consciência histórica da humanidade, num misto de perplexidade e ignomínia, negação e desdém, cuja projeção se concentra iconicamente na figura de seu líder. Sem Hitler, de fato, o nacional-socialismo teutônico provavelmente não teria existido como tal, uma vez que a implementação de sua máquina de extermínio racista exigia uma personagem de enorme carisma, influência, capacidade de aglutinação e mobilização das massas e de sua condução. Se isso tornava o Partido Nazista dependente do führer em suas principais decisões, de um lado, nem por isso, de outro, basta para explicar por que a engrenagem funcionou tão bem. Por certo, seria preciso não só remontar às raízes histórico-ideológicas desenvolvidas pelos processos políticos da Alemanha pós-bismarckiana, tão entranhados no geist germânico, como às consequências socioeconômicas da derrocada na Primeira Guerra Mundial. Foram esses elementos que deram origem aos agentes patológicos que passaram a circular pela mentalidade e pelo corpo da sociedade conflituosa da República de Weimar e que deu ascenso à fúria do führer racial salvador.
Em A Alemanha Nazista e os Judeus: Os Anos da Perseguição, 1933-1939, Saul Friedländer afirma como causa fundamental do êxito operacional do genocídio judeu o “antissemitismo redentor […], essa síntese entre uma raiva assassina e uma meta ‘idealista’, compartilhada pelo líder nazista e o núcleo duro do partido”, ressalvando, porém, que o “líder nazista não tomava suas decisões independentemente do partido e das organizações governamentais. Suas iniciativas [...] eram moldadas não apenas por sua visão de mundo, mas também pelo impacto de pressões internas, o peso das limitações burocráticas, a influência da opinião pública alemã como um todo e até as reações de governos estrangeiros e opiniões do exterior”.
Outros fatores, contudo, também concorreram para que a história tomasse o rumo que tomou e têm de ser levados em conta. Até que ponto essa obsessão ideológica era compartilhada pelo partido e pela população como um todo? Como as ruas alemãs receberam leis como as de Nurembergue? Como os judeus viram a ascensão do Partido Nacional-Socialista? Qual o papel desempenhado por pessoas comuns e personalidades diante do discurso de ódio e da escalada da violência racial e política, que incluía não apenas os judeus, como os ciganos, os homossexuais, os deficientes físicos e, a longo prazo, as “raças inferiores” submetidas à supremacia ariana? Saul Friedländer busca as respostas em A Alemanha Nazista e os Judeus, cuja abordagem não convencional lhe valeu o prêmio Pulitzer de 2008. A editora Perspectiva traz agora ao público brasileiro o primeiro dos dois volumes desta obra, que compõe um panorama detalhado, poderoso e consistente, que une o rigor acadêmico ao olhar de escritor, movido tanto pela força da memória de quem viveu os horrores da guerra, como pela disciplina do historiador, ao enfocar o tema com dignidade e distanciamento crítico. Na vasta literatura sobre o nazismo e o Holocausto, esta é sem dúvida uma obra de referência indispensável.

Dados Técnicos
Páginas: 456
Peso: 680g
ISBN: 9788527309042
Google Books Preview
Resenhas
resenha:  De frente para o horror, por Marcos Guterman [estadão]




A 30PorCento é uma livraria virtual cuja missão principal é potencializar, através dos livros, a renovação do pensamento crítico brasíleiro. Oferecemos livros com desconto em todo nosso catálogo.

Frete: além do Sedex e das entregas de Bicicleta, utilizamos também uma categoria especial e econômica para postagem de livros no correio chamada Impresso com Registro Módico, cujo preço é fixo, por peso, para qualquer cidade do Brasil.



Link para a revista literária O Benedito.

> 7LETRAS
> ALEPH
> ALFAGUARA
> AMARILYS
> ANNABLUME
> ATELIE
> AUTENTICA
> BEM-TE-VI
> BIBLIOTECA AZUL
> BLUCHER
> BOITEMPO
> CARAMBAIA
> COMPANHIA DAS LETRAS
> CORTEZ
> COSACNAIFY
> DISCURSO EDITORIAL
> EDIÇÕES LOYOLA
> EDIPRO
> EDITORA 34
> EDITORA UFRJ
> EDITORA UFV
> EDIÇÕES 70
> EDUEL
> EDUEM
> EDUERJ
> EDUSP
> ESTAÇÃO LIBERDADE
> EXPRESSÃO POPULAR
> GLOBAL
> HEDRA
> HUMANITAS
> ILUMINURAS
> INSTITUTO MOREIRA SALLES
> INSTITUTO PIAGET
> MANOLE
> MARTINS FONTES
> MERCADO DE LETRAS
> MUNDARÉU
> NOVA ALEXANDRIA
> NOVA FRONTEIRA
> MUSA
> OCTAVO
> PALAS ATHENA
> PAZ E TERRA
> PERSPECTIVA
> PONTES
> RADIO LONDRES
> SENAC
> SESC SP
> TINTA DA CHINA
> TODAVIA
> TORDESILHAS
> UBU EDITORA
> UNESP
> UNICAMP
> VOZES
> WMF MARTINS FONTES
> ZAHAR
+ editoras




Blog Não Gosto de Plágio - a polêmica do plágio de traduções literárias no Brasil, por Denise Bottmann